quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Um conto de Natal, pelo 6ºA

Conto de Natal
Uns dias antes do Natal, no Pólo Norte, já se trabalhava arduamente na preparação das prendas: os duendes, ajudantes do Pai Natal, não paravam, construindo prendas atrás de prendas, porque este ano os meninos tinham-se portado muito bem.




Contudo, havia uma menina, chamada Luana, que vivia em Lisboa, que nunca tinha recebido prendas. Era muito pobre, bem educada e, infelizmente, órfã.
Faltando um dia para a entrega das prendas, os meninos já se punham a espreitar pelas janelas, olhando para o céu, na esperança de avistar o Pai Natal e as suas renas.
Na terra do Pai Natal, os duendes faziam os últimos preparativos para a grande noite… mas algo terrível aconteceu!!! – a rena principal, do nariz vermelho, o Rudolfo, tinha desaparecido!!!!
- Oh que desgraça! – diziam uns.
- Ai que o Natal está perdido! – diziam outros.
- Tanto trabalho para nada… - lamentavam os duendes.
O Pai Natal pôs-se a chamar pela sua rena preferida:
- Rudolfo! Rudolfo! Querido Rudolfo… onde estás?
O Natal estava condenado a não acontecer.


De volta a Lisboa, a nossa menina andava pelas ruas a pedir esmola, para sobreviver. Entretanto, ela decidiu ir dar uma volta pelo jardim de Belém.
Não se via ninguém nas ruas, porque todos já se encontravam no calor dos seus lares, com os familiares, a prepararem-se para a ceia, sem sonharem que o Natal não ia acontecer…
Ela, sentada num banco do jardim, começou a chorar, porque mais uma vez estava sozinha, gelada e com fome. No meio do silêncio, alguma coisa chamou a sua atenção… algo se movia por detrás dos arbustos… o que seria? A nossa heroína, curiosa, levantou-se e foi espreitar. De repente, dá de caras com um animal estranho, com um grande nariz redondo, vermelho e a brilhar: era o Rudolfo!
- Como vieste aqui parar? – perguntou a menina, intrigada.
- Vim do Pólo Norte dar um passeio e perdi-me. Agora não sei como voltar e preciso de fazê-lo com urgência, senão não há Natal para ninguém. – explicou a rena, muito preocupada.
A menina não estava a entender muito bem mas a rena explicou-lhe tudo. Então a menina lembrou-se de que tinha um mapa do mundo e que assim podia guiar a rena até ao Pólo Norte.
Montou na rena e lá foram. A viagem foi muito longa mas num instante, porque as renas do Pai Natal voam muito rápido.
Quando já todos desesperavam na terra do Pai Natal, eis que aparecem os nossos heróis e assim foi possível a entrega das prendas. O Pai Natal, para agradecer à menina, para além das prendas que lhe deu, convidou-a para o acompanhar na entrega das prendas e ficar a viver com ele e os duendes.

Foi o melhor Natal de sempre!
FIM 

Este conto de Natal foi inventado e escrito pelos alunos da turma A do 6º ano (percurso alternativo), sob orientação da nossa professora de Língua Portuguesa.
Esperamos que gostem, pois foi escrito para vos entreter e relembrar-vos de que estamos a entrar numa época mágica, apesar desta crise muito chata.
Não deixem de sonhar e... UM FELIZ NATAL PARA TODOS!!!
São os votos sinceros do 6º A a toda a comunidade escolar.

5 comentários:

  1. Adorei.Um feliz Natal ao 6ºA e à professora Vanessa. Beijinhos. Constança

    ResponderEliminar
  2. Adorei meus queridos!!! Parabéns também para a professora Vanessa...Beijinhos da professora Cristina.

    ResponderEliminar
  3. Muitos Parabéns aos autores!! Um óptimo Natal e um fantástico 2012!!!!!!!!!!!!

    ResponderEliminar
  4. Tb gostei ... continuem vou continuar a visitar

    ResponderEliminar
  5. Gostei mesmo muito...mandei o vosso cont0 para muitas amigas Educadoras de infância e Professoras, e a esta hora está a ser contado a imensos alunos das escolas de Lisboa...digam lá que não é uma honra?
    PARABÉNS pelo vosso trabalho!!!
    FELIZ NATAL!

    ResponderEliminar